Parabéns a todos os estudantes e profissionais de Jornalismo


“Aos que defendem a informação, a ética, a liberdade, a valorização da profissão, o prazer de ser jornalista…por trás de todo grande acontecimento há um jornalista pronto para divulgar a noticia…jornalista hoje você é a manchete!!”

(Dalton Martins)

Sobre dores, coisas boas e uma despedida

“O jornalista é, antes de tudo, um forte”
(Euclides da Cunha)

Quem já teve pedra no rim (meu caso) ouviu alguém falar que a dor da danada se mexendo é pior que a dor do parto. E a dor de ser jornalista, como é? É pior que cólica renal. Porra, então vamos desistir desta profissão, vocês vão dizer. Sofrer pra quê? Mas não se foge da dor. Ela faz parte da vida. Para ser jornalista – assim como para viver – é preciso conviver com a dor, ser mais forte que ela. Defendo até que as faculdades de jornalismo, além dos estúdios de rádio e TV, tenham um Laboratório da Dor, para simular sensações como a perda do emprego, da liberdade, das ilusões, dos cabelos.

O ano de 2011 foi doloroso para os jornalistas por velhas razões. Passaralhos, violência, desrespeito. O diploma, tadinho, seguiu marginalizado. Deu até entrevista para o blog revelando, por exemplo, que tentou o suicídio. Mas sobrevivemos. Sempre sobrevivemos. Só quem é capaz de suportar a dor é capaz de saborear as coisas boas da vida e dessa nossa profissão maluca. E posso garantir: são muitas as coisas boas pra gente saborear!

Que em 2012 a gente continue mais forte que qualquer dor.

Fonte: Blog Desilusões Perdidas (Duda Rangel).

Ética e responsabilidade jornalismo

Reprodução/ Internet

Reprodução/ Internet

 

O jornalismo de hoje está mais  escancarado, ousado e ambicioso. A profissão do jornalista é levar ao público notícias com responsabilidade Mas hoje em dia as coisas mudaram. Alguns jornalistas têm a audácia de publicar matérias sensacionalistas, mentirosas, sórdidas sem ao menos pedirem autorização.
Publicam matérias que não são de sua autoria deixando de dar o crédito ao autor da reportagem. Quando um leitor compra um jornal ou revista, está à procura de notícia, mas encontra em primeira página várias manchetes de escândalos de políticos, celebridades, jogadores de futebol, entre outros. Isto deixa os leitores que se divertem com fofocas que são publicadas. Onde está a responsabilidade e a ética do jornalismo? Como por exemplo há o caso de Stephen Glass, um jornalista ambicioso que trabalhava na revista ” New The Republic “, uma das mais famosas dos Estados Unidos da época. Para conseguir sucesso foi capaz de tudo, até memso forja matérias que não existiam para ter fama e dinheiro. Mas foi descoberto logo por um concorrente de outra revista. Seu chefe ficou sabendo, tentou argumentar com suas mentiras nada adiantou, foi demitido.

Stephen Glass infringiu todos as éticas jornalísticas, jogou baixo, agiu com irresponsabilidade, perdeu o que tinha de mais valioso: ” O caráter. Mas sua mentira foi descoberta é se deu muito mal. Esse é um exemplo da falta de ética e responsabilidade no jornalismo.